Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Em busca de recondução, Aras volta a atacar Lava Jato: "Não se revelou sustentável"

Em sabatina, PGR se vangloriou de colocar o MP "em seu devido lugar". "Cumprir a Constituição é compreender a separação dos Poderes", disse
Em busca de recondução, Aras volta a atacar Lava Jato: “Não se revelou sustentável”
Reprodução/TV Senado/YouTube

Em busca de mais um mandato na PGR, Augusto Aras usou boa parte de seu tempo na CCJ do Senado para atacar a Lava Jato e defender a classe política. “No enfrentamento à criminalidade, o modelo de forças-tarefas apresentava uma série de deficiências”, disse.

O PGR fez questão de enumerá-las: “Passando pela falta de regulamentação, ausência de critérios objetivos – não só para o estabelecimento, mas também para destinação de valores resultantes de acordos de colaboração premiada e pagamento de multas. Além de altos custos com diárias, passagens, segurança e escolta de membros. O modelo não se revelou sustentável do ponto de vista administrativo, orçamentário ou mesmo finalístico, uma vez que se verificava a inobservância do princípio do promotor natural, ao submeter membros aos seus pares, com quebra da independência funcional”.

Aras também se vangloriou de “colocar o MP em seu devido lugar”.

“Cumprir a Constituição é compreender a separação dos Poderes, é poder saber que o dever de fiscalizar condutas ilícitas não dá aos membros do Ministério Público nenhum poder inerente aos poderes constituídos, harmônicos e independentes entre si.”

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO