ACESSE

Aras quer criar "unidade de inteligência incontrolável", diz procurador sobre centralização de forças-tarefa

Telegram

A unidade central de combate à corrupção pode criar uma “grande central de inteligência incontrolável”, no entendimento do subprocurador-geral da República Níveo de Freitas Silva Filho. Ele é o relator da proposta, apoiada pelo PGR Augusto Aras, e que pode acabar com todas as forças-tarefa do país.

A ideia está em discussão no Conselho Superior do MPF.

Em entrevista à Folha, Freitas disse que a ideia de centralizar as iniciativas de combate à corrupção pode concentrar muitos poderes no PGR. “Pode desfigurar o MPF”, comentou.

Leia também: O plano de Augusto Aras para evitar que haja outras Lava Jato.

O comentário de Freitas foi sobre projeto apresentado pelo subprocurador Hindenburg Chateaubriand em substituição à ideia original de Aras. No projeto, Chateaubriand disse que a concentração de poderes numa unidade central “conduz a inúmeras vantagens”.

Para Nívio de Freitas, entretanto, a ideia tem diversos problemas, principalmente a violação ao princípio do promotor natural – pela regra constitucional, os processos são distribuídos aos membros do MP por sorteio. Com a unidade central, os casos de corrupção ficarão sempre a cargo da PGR.

A medida também é criticada por membros das atuais forças-tarefa, especialmente os da Lava Jato. Para eles, a centralização do combate à corrupção vai acabar com a independência das investigações e com a autonomia dos procuradores.

Leia mais: Um amigo aconselhou Bolsonaro a renunciar. O presidente resiste. E tem um plano para ir até o fim

Comentários

  • Maria -

    contra poderosos amigos. A Lava Jato com o petrolão foi um caso realmente extraordinário.

  • Nina -

    Só lambança. A PGR é longa manus de Bolsonaro.

  • Marcio -

    Esse país é uma vergonha. Aras vergonha nacional

Ler 46 comentários