ACESSE

Aras salva Eunício Oliveira

Telegram

Augusto Aras preparou um parecer para enviar à Justiça Eleitoral uma investigação sobre Eunício Oliveira por suposta prática de corrupção e lavagem de dinheiro.

O problema é que, em setembro de 2019, sua antecessora, Raquel Dodge, havia descartado a suspeita de caixa 2, principal linha da defesa para deixar o caso na Justiça Eleitoral.

No inquérito, iniciado no Supremo, Eunício Oliveira é suspeito de receber propina de R$ 5 milhões da Hypermarcas (hoje chamada Hypera Pharma) em 2014, em troca de atuação favorável à empresa num projeto de lei que tramitava no Senado.

O dinheiro foi repassado por meio de contratos falsos com três empresas do ex-senador, segundo delatou o ex-diretor da Hypermarcas Nelson de Mello.

A defesa de Eunício, no entanto, liderada pelo ex-procurador-geral da República Aristides Junqueira, disse que era tudo dinheiro para campanha.

Ainda no ano passado, a investigação sobre caixa 2 foi arquivada a pedido da PGR e o caso remetido para a primeira instância Justiça Federal de Brasília.

Augusto Aras, porém, quer agora desarquivar a investigação sobre crime eleitoral para mandar o caso para a Justiça Eleitoral do Ceará, como deseja a defesa.

 

Antônio Augusto Brandão de Aras, o PGR

Leia também: Cloroquina: o remédio para a pandemia?

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 28 comentários