Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Argentina foi orientada a entrar com pedido para liberar jogadores

De acordo com a Casa Civil, a delegação argentina não apresentou a solicitação de excepcionalidade, como foi orientada
Argentina foi orientada a entrar com pedido para liberar jogadores
Reprodução/Twitter da Seleção da Argentina

Segundo um documento da vigilância epidemiológica de São Paulo, a delegação argentina foi orientada a enviar formalmente às autoridades um pedido de excepcionalidade para circulação dos jogadores vindos da Inglaterra no país, diz o G1.

A solicitação seria analisada pelo Ministério da Saúde, com “decisão final” da Casa Civil. Em nota, a Casa Civil nega que o pedido tenha sido feito.

Ontem, o jogo entre Brasil e Argentina foi interrompido e suspenso por descumprimento de protocolos sanitários, porque quatro jogadores argentinos não cumpriram a quarentena necessária. Um membro da delegação argentina falsificou documentos.

O relatório feito pelo Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo mostra que, em uma reunião no sábado, a delegação argentina foi orientada a enviar “com máxima urgência” o pedido de permanência dos jogadores no país.

O ministro da Saúde em exercício, Sérgio Okane, representantes da Anvisa, da Conmebol, da CBF e da delegação da Argentina participaram do encontro.

“Assim, a CONMEBOL e a delegação da Argentina foram orientadas a seguir as recomendações da Portaria 655, para formalizar o pedido de excepcionalidade com a máxima urgência, para que a análise da documentação fosse viável antes da realização do jogo”, diz o documento.”

O documento afirma ainda que a delegação argentina foi informada sobre a necessidade do trâmite para os jogadores também pudessem participar do treino.

“No caso dos jogadores argentinos, cabe esclarecer que não houve qualquer solicitação de excepcionalidade anterior ao voo de entrada dos jogadores no Brasil, impossibilitando qualquer tipo de atuação da Casa Civil, disse a Casa Civil em nota.

Mais notícias
TOPO