As manobras no Senado para aprovar o abuso de autoridade

Davi Alcolumbre orquestrou, deu a ordem para Simone Tebet e “com quem interessa” ficou decidido que o projeto de abuso de autoridade será aprovado em tempo relâmpago.

A proposta original, que poderá ser votada e aprovada com facilidade amanhã na CCJ e no plenário do Senado, era o projeto de iniciativa popular com as 10 medidas para combater a corrupção.

Em uma fatídica sessão na madrugada na Câmara, em 2016, porém, deputados desfiguraram por completo a ideia, dando força, entre outras coisas, ao ponto que trata do abuso de autoridade.

O ATAQUE DO HACKER A CRUSOÉ. LEIA AQUI

Na noite da terça-feira da semana passada, Rodrigo Pacheco, relator do projeto — que estava parado até então no Senado — recebeu a informação de que teria de apresentar o seu voto na sessão da CCJ do dia seguinte. Durante a leitura, ele mesmo admitiu que passou a noite fazendo o relatório. Claramente foi pego de surpresa.

A O Antagonista, Pacheco disse que a ressurreição do projeto dias após o vazamento das mensagens envolvendo a Lava Jato foi uma “coincidência”.

Durante a sessão da leitura do relatório, senadores como Eduardo Girão, Major Olímpio e Esperidião Amin protestaram, alegando, com razão, que o assunto havia sido inserido como extrapauta sem a concordância dos líderes.

Simone Tebet, presidente do colegiado, disse que Davi Alcolumbre lhe pediu para incluir o projeto na pauta após uma reunião com líderes.

“Foi uma reunião com quem interessa”, chegou a dizer um senador a este site, nos bastidores.

Pois bem.

O projeto poderá ser votado amanhã na CCJ e, se aprovado, já há um movimento para que o Senado liquide a fatura no plenário no mesmo dia.

Deve ser tudo uma grande coincidência.

Comentários

  • Claudio -

    Na falta de um Renan para kagar cheiroso, que fique o Davi para kagar fedorento! O que não pode faltar é kagada no Senado!

  • MARCIO -

    Somos roubados,temos que bater palmas. Fecha essa bosta !

  • rgf -

    Fora Alcolumbre. Boneco do RENAN Calheiros. Vergonha Simone Tebet.

Ler 250 comentários