As palavras e os atos

Após almoçar com Meirelles, Rodrigo Maia jurou aos jornalistas que defende o ajuste fiscal, dois dias após a Câmara aprovar uma lei de renegociação das dívidas dos Estados que não passa de um cafuné na cabeça dos caloteiros.

Segundo o Valor, suas próprias palavras foram:

“A gente tem que ter tranquilidade para ajudar os governadores, mas de forma nenhuma abrir mão de algo, que para mim é fundamental, que é a garantia do equilíbrio fiscal que está sendo conduzido pelo presidente Temer.”