Avalista sem patrimônio

O BNDES terá de explicar por que emprestou R$ 303 milhões para a Usina São Fernando, tendo como avalista uma empresa sem capacidade econômica para garantir a operação e já comprometida com o BNDES.

A Heber Participações foi avalista da emissão de cédulas de crédito bancário (CDB) feita pelo grupo Bertin no valor de R$ 200 milhões em 2009. A CDB foi firmada em novembro e assumida no mês seguinte pelo grupo JBS na incorporação do frigorífico Bertin.

A Heber foi usada como avalista em outras operações do grupo JBS, que recentemente foi à Justiça cobrar a execução de uma dívida de R$ 500 milhões, em valores atualizados.

A penhora judicial dos bens em nome da Heber e dos irmãos Bertin não chegou a 1,5% da dívida.