Bafômetro no PT

Depois de Brahma, apelido que o dono da OAS deu a Lula, e de Tulipa e Caneco, as senhas usadas por Ricardo Pessoa para pagar pixulecos ao tesoureiro do PT, o vocabulário etílico da Lava Jato ganhou novos verbetes.

O Globo:

“Toda vez que queria matar a ‘sede’ por propina, Renato Duque ligava para o lobista Milton Pascowitch e o convidava para ‘tomar um drinque’. O convite era a senha para que o operador separasse vultosas quantias de dinheiro, entregues pessoalmente ao ex-diretor. Por mês, Duque chegou a receber R$ 280 mil. A informação consta da delação do próprio Pascowitch”.

Embriagado de propina