Balcão único para acordos de leniência só agrada a Toffoli e seus seguidores

Balcão único para acordos de leniência só agrada a Toffoli e seus seguidores
Foto: Fellipe Sampaio/ STF

Festejado por Dias Toffoli e auxiliares de Jair Bolsonaro, o balcão único para acordos de leniência, que esvazia o papel do Ministério Público Federal nas negociações, não resolve o problema da segurança jurídica para as empresas envolvidas em corrupção que resolvem colaborar. E compromete a própria investigação dos ilícitos.

A “cooperação técnica” dá à Controladoria Geral da União e à Advocacia Geral da União o protagonismo nas negociações.

O presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), Fábio George Cruz da Nóbrega, diz que o primeiro problema está ligado a uma diferença crucial entre o MPF e a AGU e a CGU, subordinadas ao Executivo: “Elas seguem o princípio da hierarquia, e não são como o MPF, cujos membros têm independência funcional”, afirmou a O Antagonista.

“Vamos supor que sejam identificados membros do próprio governo envolvidos no esquema de corrupção da empresa. Como a CGU e AGU vão conduzir? Seria possível o desbaratamento desses grandes casos de corrupção, como os descobertos pela Lava Jato, se fossem órgãos do governo que estivessem à frente desses acordos? Ou seria mais adequado que o MP, que não faz parte do governo e entra com a maior parte das ações de improbidade, tenha papel de maior destaque?”, questiona.

O segundo problema é que, justamente por alijar o MPF das negociações, o texto assinado hoje não contou com o aval do procurador-geral, Augusto Aras (o tema ainda é discutido internamente na Quinta Câmara do MPF, que coordena a atuação no combate à corrupção).

Assinaram a cooperação Dias Toffoli, André Mendonça (Justiça), Wagner Rosário (CGU), José Levi (AGU) e José Múcio (Tribunal de Contas da União).

Assim, nada impede que o MPF continue propondo ações de improbidade contra as empresas que investiga, mesmo que elas fechem acordos com a CGU e AGU.

Ex-ministro da CGU e especialista no assunto, o advogado Valdir Simão considera que a cooperação é um avanço por causa da negociação conjunta do órgão com a AGU e o TCU.

Mas também reconhece que o MPF poderá continuar apresentando ações de improbidade contra as empresas, algo que o acordo de leniência deveria prevenir, ao negociar, de forma antecipada, o pagamento de reparações, multas e indenizações.

“Se o MP estiver fora, pode acontecer de, entendendo que o acordo fere a moralidade pública, entre com ação de improbidade contra a empresa. O MP pode tudo, quando entende que há improbidade com prejuízo da administração pública”, disse a O Antagonista.

Simão defende o papel dado à CGU e AGU de coordenar as negociações, com posterior supervisão do TCU. Diz que os órgãos estão melhor estruturados que o MPF para apurar os danos causados ao erário. O MPF, ressalta, continuará fazendo os acordos de delação premiada com as pessoas físicas, executivos e acionistas, na área criminal.

“A gente espera que seja possível eles se entenderem. Se o MP estiver fora, os acordos de leniência vão continuar sendo negociados e há vários em andamento. O que não pode é submeter o interesse da empresa de celebrar o acordo, que é um interesse coletivo, a um interesse individual do executivo ou acionista. É legítimo que a empresa possa fazer o acordo o mais rápido possível, ainda que [o MPF] não tenha condição de fazer acordo de delação com as pessoas físicas. Nada impede que o processo se dê de forma concomitante, com compartilhamento de informações e de provas”, diz.

Leia mais: Por que os depósitos de Queiroz para Michelle Bolsonaro NÃO foram incluídos na investigação da 'rachadinha'? Estratégia
Mais lidas
  1. Governador do Amazonas entrega Pazuello

  2. Que coisa

  3. Empresas ligadas a militar venderam ao governo R$ 45 milhões em produtos

  4. Deltan recorre para tirar de Lula mensagens roubadas da Lava Jato

  5. Huck 2026?

Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 22 comentários
TOPO