Bancada da bala quer fatiar Ministério da Justiça

A bancada da bala na Câmara quer tentar mudar a medida provisória que redefine a estrutura da Esplanada dos Ministérios.

Segundo a Folha, a intenção dos deputados do grupo é a volta de uma pasta só para a Segurança Pública, que hoje faz parte da pasta de Sergio Moro.

“O presidente do grupo, Capitão Augusto (PR-SP), apresentou emenda para fatiar o Ministério da Justiça, de Sergio Moro. Pela proposta dele, as polícias estaduais ficariam sob o comando do Ministério da Segurança. Já a PF ficaria debaixo do guarda-chuva do ex-juiz”.

Por que o sucesso de Bolsonaro depende do sucesso de Moro. Leia aqui

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 61 comentários
  1. De certa forma eu daria razão. Às vezes percebo que quando Moro não trata dos criminosos de colarinho branco, ele pega meio leve, ao contrário do capitão, que sempre teve um discurso rígido.

  2. Capitao Augusto que tal entender o regimento da camara federal …e que a competência por definir ministérios é do executivo e não pode sobre e haver interferência de poderes.. CBBI

  3. É. incrível como só tem aproveitadores na política. Pasta do Moro é do Moro . Pqp esse país não vai mudar nunca com essa safadeza desses políticos. Será que teremos gente que pensa no país

  4. Que fofo esse tal Capitão Augusto! Fatiar o Ministério da Justiça, como Lewando e Renan fatiaram a Constituição? Só por cima do cadáver dos brasileiros!!! FALTA DO QUE FAZER, DESPERDÍCIO, GOLP

  5. Querem cargos para os aposentados “com experiencia”. Ora se tivessem sido tão bons a violencia não poderia ter aumentado. Estou mais a favor do Cearense que controlou presidio no RN e agora no CE.

  6. querem dinheiro. cuidado com candidatos que não tiram o nome da patente do nome…Bolsonaro foi candidato sem o nome de capitão…cuidado…ele maj. olympio e etc…a maj. de sampa foi na onda…

    1. Lula prometeu transformar o Brasil numa potência, e olha a mer-da que chegamos. Seria um milagre e excesso de competência concluir promessas de campanha em apenas 2 meses. Não acha?