“Bandido armado que atirasse para cima ou contra a tropa podia ser abatido”

O Estadão entrevistou o general Roberto Jugurtha Câmara Senna, que comandou em 1994 as ações militares da Operação Rio – quando o governo federal intercedeu na segurança do estado com tropas das Forças Armadas.

Atualmente na reserva, o militar de 77 anos comparou a ação de 24 anos atrás com a atual e defendeu maior liberdade de ação para os militares nas favelas.

“Por sugestão nossa, foi adotado pela Justiça um tipo de mandado de busca em que se designava um endereço específico acrescido de ‘e adjacências’. Isso permitia se visitar casa a casa na área de conflito. Muita arma foi encontrada não no domicílio do bandido, mas em casas de moradores que eram obrigados a guardar as armas dos bandidos.

As chamadas regras de engajamento para as tropas eram bem mais flexíveis, dando mais liberdade de revistar, identificar, buscar casa a casa e reagir aos confrontos. A população em sua grande maioria nas comunidades apoiava e colaborava com a tropa. Podíamos reagir aos tiros, nos confrontos, com maior liberdade de ação. Bandido armado que atirasse para cima ou contra a tropa podia ser abatido.”

Bons tempos.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 28 comentários
  1. Grupos contrários à intervenção no Rio tentar jogar a população contra os militares.
    Vários cartazes incentivando rejeição à ação das FFAA contra a criminalidade têm sido colados nas comunidades mais carentes de segurança!
    Fatos novos levam à conclusão de que há um projeto criminoso organizado com objetivo claro de criar um clima MILITARES versus SOCIEDADE e que tem apoio financeiro de grupos da esquerda!

  2. Então, justamento o que o general Paulo Chagas, General Heleno, general Mourão, Capitãi Bolsonaro vem falando: RETAGUARDA JURÍDICA DURADOURA. Mas não só pra intervenções. Tem que ser pra sempre, servindo pra polícia e pros cidadãos.

  3. Eu não aguento mais o excesso de “ideologização” no Brasil.
    A única coisa que deveria preocupar são os efeitos colaterais, quer em relação ao excesso de força (matar alguém desarmado e algemado, surrar alguém preso, etc, etc, etc), quer em relação de alguém inocente (um morador obrigado a favorecer um bandido, etc, etc) o resto é conversa mole. É aplicação inútil de regras de direitos humanos que impede a legítima ação da repressão.
    Mas sabe como é… SÃO AS REGRAS DO ESTADO DE DIREITO de acordo com a conveniência da hora como no caso da mesma pessoa assumindo opinião diferente CONFORME O OCUPANTE DO PODER DE TURNO. Observem:
    1 Dilma pode ser investigada por atos anteriores ao seu mandato. O que ela não pode é ser processada.
    2 Michel NÃO PODE SER INVESTIGADO por atos anteriores ao mandat

  4. pela entrevista do general , real e copiosa , serve para que possamos afirmar que o politicamente correto usado e apoiado por esquerdopatas hoje , e um incentivador e adubo da criminalidade e de criminosos , hoje os dimenor podem tudo e nao estao sujeitos a puniçoes , ja o ciadao honesto estes anos de podridao , instados a partir do socio comunismo perdeu ate o direito aodireito de defeza , APODRECEMOS COMO SOCIEDADE E COMO PAIS .

  5. BANDIDO ARMADO, TEM QUE SER ABATIDO, ANTES DE ATIRAR !!!
    SIMPLES, ASSIM …
    UM BANDIDO, PORTANDO UMA ARMA … QUE TIPO DE CONSIDERAÇÃO
    SE DEVE TER POR ELE ???
    DEVEMOS ESPERAR QUE ELE ALVEJE ALGUM INOCENTE ???

  6. Em fevereiro do ano passado, o Espírito Santo passou por uma crise na segurança pública. Os policiais permaneceram nos quartéis e delegacias, alegadamente retidos pelas manifestações de seus familiares por aumentos salariais.
    .
    Como os demais estados, o Espírito Santo enfrenta uma restrição fiscal, mas as suas contas, inclusive salários, continuam a ser pagas em dia. O estado, como o Brasil, tem alta taxa de homicídios por 100 mil habitantes, mas, ao menos, ela voltou ao nível dos anos anteriores à greve, menor do que a do Rio.
    .
    A causa principal da crise fiscal do Rio são os gastos com folha de pagamentos, que levam à redução dos gastos com investimento e custeio das políticas públicas. E seus policiais militares são promovidos por antiguidade e se aposentam em média aos 50 anos.

  7. Isso mesmo, é a lei física da ação e reação, se o bandido covarde atirar nas autoridades ou fazer ameaça com tiros para o alto, a resposta deve ser imediata com a eliminação do criminoso.

  8. Nos EUA discutem-se formas de abater quem esteja armado e ameaçando a vida de alguém. Aqui é o bandido pode ameaçar quem quiser, o Estado inclusive, que é considerado (não por todos claro) um jovem que não teve oportunidade…Se não ficar claro que o estado é mais forte e em casos assim impiedoso, o resultado será nada…

  9. Criam dificuldades para os militares, não os deixam agir de uma maneira que seria eficiente porque….

    Na verdade não querem mudar nada, é só firula para Inglês ver e ficar “bem na fita “.
    Acham mesmo que bandidos gostam de ver sua classe combatida de verdade ?
    Seja qual for o tipo de crime, são irmãos na fé com os mesmos princípios .
    .

  10. E o general disse algo errado?
    A FRASE É MALDOSA E QUER PASSAR QUE NÃO PODE ATIRAR EM BANDIDO DE FORMA ALGUMA.
    ESPERO QUE O ANTAGONISTA NÃO COMECE A FICAR IGUAL A OUTROS MEIOS DE COMUNICAÇÃO COMUNISTAS.

    1. Mas os Antas agônicas são comunistas, só estão usando pantufas, comendo Brownies e bebendo Perrier enquanto escrevem suas notinhas pro site.

  11. Bandido exibindo arma já seria suficiente para ser abatido.
    Com as limitações impostas aos policiais, nem em 100 anos, mesmo com o exército nas ruas, a bandidagem não vai acabar.

  12. Antigamente, há quase 30 anos, o comunismo não era forte e vigoroso quanto agora. E nem tinha a força que tem agora a cleptocracia das castas superiores que acaba por elaborar leis em seu benefício, mas que por efeito colateral socorrem os bandidos de rua, os bandidos das castas inferiores , os que não possuem foro privilegiado nem milhões guardados em bancos suiços e panamenhos.

  13. .
    Os militares estão sendo feitos de palhaços.
    — Portam armas, são treinados para matar inimigos (bandidos não são santos) e não podem fazer o serviço em nome do Direitos dos Manos.
    — Os “manos” não são cidadãos, são inimigos da população honesta que vive à mercê dos mesmos, sob suas ordens de todo tipo.

  14. Pois é …
    A pior coisa que as FFAA podem fazer é se engajar neta nojeira. Eles devem responder ao pedido do executivo com as condições de execução da missão. Se não for cedido aquilo que a missão exige para ser implementada, Insistir e explicar. Se continuam a fazer ouvido de mercador, declarem impossibilidade de realizar a missão é que encontrem outra bucha de canhão.

  15. Deu certo antes por que não praticar agora? O que interessa é a proteção do cidadão de bem bandido armado tem que ser eliminado. E as buscas tem que ser ampla porque o cidadão de bem é obrigado pelo crime a camuflar armas e esconder facínoras como a inteligência identificou faz tempo.