Barata admite caixa dois para políticos do RJ

Jacob Barata Filho, o “rei dos ônibus” no Rio, foi ouvido hoje por Marcelo Bretas e admitiu pela primeira vez o pagamento de caixa dois a políticos do Rio, informa o G1.

“Realmente existia um caixa gerado pela Fetranspor para pagamentos a agentes públicos, no sentido de tentar melhorar o sistema de transporte e proteger o sistema de transportes que fossem prejudiciais”, declarou Barata, que teve a prisão revogada por Gilmar Mendes três vezes.

Segundo o empresário, esse caixa chegou a gerar até R$ 6 milhões por mês. Ele citou como beneficiados ex-presidentes da Alerj como Jorge Picciani e Paulo Melo, ambos emedebistas.

Hoje, o juiz da Lava Jato no Rio está ouvindo também outros réus da Operação Cadeia Velha: Lélis Teixeira, o ex-presidente da Fetranspor, e Felipe Picciani, um dos filhos de Jorge.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 32 comentários
  1. Gilmar Mendes, vai mandar PRENDER? Não né? Tudo que a Lava.Jato acusa essa gente, de Lula a Temer, passando por todo espectro político, é VERDADE! Se não tivessem a proteção do STF, uns 200 presos.

  2. Gilmar Mendes disse ao Barata, ” a hora que o Bretas começar a perguntar, você arreia as calças, sobe na mesa dele, caga na mesa dele e limpa a bunda com o papel das perguntas que eu garanto”.

    1. Da minha parte estou bastante ansioso para fazer isso. Não vejo a hora da “faxina pesada” na política, a partir de 7/outubro.