Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Barroso defende cota de 20% para mulheres no Legislativo

Presidente do TSE disse que há uma "falha de mercado" e defendeu cota para mulheres também no comando dos partidos
Barroso defende cota de 20% para mulheres no Legislativo
Foto: Nelson Jr./SCO/STF

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, disse que dará “todo o apoio” a uma proposta para reservar um determinado número de cadeiras no Legislativo para mulheres.

“Evidentemente essa é uma questão política que será decidida pelos senhores, mas eu apostaria num avanço progressivo de reservar vagas, 20% de vagas para mulheres, para quebrar o ciclo de discriminação”, afirmou.

Para ele, a cota seria como a “correção de uma falha de mercado”.

“Porque deveria haver 50% de parlamentares homens e 50% de parlamentares mulheres. Se só há 15%, há uma falha de mercado, portanto a intervenção se justifica até que a gente consiga chegar a um ponto de equilíbrio”.

A legislação atual impõe apenas que os partidos lancem um mínimo de 30% de candidatas nas chapas eleitorais para a Câmara dos Deputados, assembleias legislativas e câmaras municipais.

“A melhor iniciativa nessa área e que vai avançar o processo histórico é a reserva de vagas, seria um passo importante. E defendo a participação das mulheres não apenas por uma questão de justiça de gênero, mas porque as mulheres na vida pública agregam um valor específico de temperamento”, disse, durante debate sobre voto impresso e reforma eleitoral na Câmara.

Barroso disse também ser favorável a uma reserva de vagas nos cargos de comando dos partidos.

“A vida é plural, é feita do masculino e do feminino, com características, virtudes e eventualmente defeitos diferentes e, portanto, é preciso que haja um equilíbrio. E eu gosto de lembrar que os países que tiveram mais sucesso no combate à Covid-19, pelo menos num primeiro momento, eram liderados por mulheres, como era o caso da Nova Zelândia, da Dinamarca e da Alemanha”, afirmou.

Leia mais: Assine a Crusoé, a publicação que fiscaliza TODOS os poderes da República.
Mais notícias
TOPO