Barroso e a ‘refundação do país’

Luís Roberto Barroso foi o responsável pela saudação a Dias Toffoli na cerimônia de posse do colega como presidente do STF.

Barroso lembrou que Toffoli e ele viveram momentos de conflito, mas acrescentou que democracia não significa regime de consenso e que os dois são “amigos afetuosos”.

Durante a saudação, o ministro também disse que “vivemos um momento de refundação do país. Há uma imensa demanda, impressionante, por honestidade, anticorrupção. Nenhuma batalha é invencível. Temos de empurrar a corrupção para a margem da história”.

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 29 comentários
  1. Amigo afetuoso de um canalha como o Toffoli, só pode ser outro canalha – ambos petistas. Por esta eu não esperava do Barroso! Será que no STF só tem seres rastejantes, sem a mínima dignidade?

  2. Ilegítimos, e vergonhosos auto-elogios. Imersos em suas bolhas, ignoram e desprezam a realidade. Caros ministros, nos tribunais da vida, no julgamento da nação, serão lavradas suas sentenças:CULP

  3. Na “cópula da república” todos se cheiram. O Barroso “adoro me ouvir” poderia perguntar sobre a mesada que o novo presidente recebe da mulher há muitos anos.Podia mencionar SIAFI e $ 4,5 milhõ

  4. Trecho da canção CORAÇÃO PURO – de Fernanda Lara: “Cria em mim, ó Deus Um coração que é puro E renova dentro de mim um espírito inabalável Inabalável”. DEUS acima de todos! Em oração!!!

  5. Oportunas palavras do Min barroso. Com a tentativa de assassinato de Bolsonaro, falta muito pouco para que possamos nos “orgulhar” da REPUBLICA COMUNISTA BOLIVARIANA DE BRAZUELA a ser fundada