Belo Monte, bela propina

Os dois executivos da Camargo Corrêa que assinaram acordos com a Lava Jato se comprometeram a denunciar todos os políticos que embolsaram propinas da empreiteira.

Aqueles sem foro privilegiado serão investigados em Curitiba, os outros poderão contar com a cumplicidade do STF.

Mas não é só isso.

O presidente da construtora, Dalton Avancini, e o diretor do setor de óleo e gás, Eduardo Leite, concordaram também em falar sobre pagamento de propina para as obras da usina de Belo Monte.

Abre-se uma nova frente na Lava Jato, tão suculenta quanto a da Petrobras: o setor elétrico.

E quer saber? Não vai parar aí.

Belo Monte e seus suculentos R$ 30 bilhões

Faça o primeiro comentário