Bolsa-Eleição é “desaforo”

Do ministro do STF Luís Roberto Barroso ao Estadão sobre o financiamento público de campanha eleitoral, proposto na PEC da reforma política na Câmara dos Deputados:

“A alternativa que se cogita, de R$ 3,6 bilhões, na atual conjuntura brasileira, é um desaforo, e, portanto, é compreensível a reação da sociedade.””

Barroso, no entanto, é condescendente com um valor menor, equivalente ao do fundo partidário:

“Um número mais compatível com a realidade brasileira, R$ 800 milhões, por exemplo, até R$ 1 bilhão, é uma discussão razoável, considerando a transição do modelo que nós temos para o do distrital misto, que é muito mais barato.”

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 20 comentários
  1. Desaforo é esse “ministro” que foi o relator do processo que acabou com a doação das empresas dizendo, no direito criativo, ser “inconstitucional” e agora vem dar uma de vestal e dizer que deve ser financiamento através de crowdfunding, contudo, empresas também fazem parte da cidadania e da sociedade. Asqueroso esse “cidadão”, não sei se acha deputado, senador ou palpiteiro…!!!

  2. NÃO MINISTRO !!!
    COM UM BILHÃO TIRARÍAMOS MILHARES DE BRASILEIROS DAS FILAS DE HOSPITAIS !!!
    A DESCLASSIFICADA CLASSE POLÍTICA BRASILEIRA NÃO MERECE UM SÓ CENTAVO
    NOSSO !!!
    PARA OUVIR MENTIRAS E PROMESSAS VÃS, DESSES CALHORDAS ???
    ELES QUE SUBAM NUM BANQUINHO EM PRAÇA PÚBLICA, PARA QUE POSSAMOS DIZER
    À ESSES VAGABUNDOS QUE NOS ROUBAM TANTO, TUDO O QUE ELES PRECISAM OUVIR !!!

    1. Isso mesmo! Nem um centavo pra esses folgados! Sou a favor é de uma guilhotina na Esplanada para cortar as cabeças de quem votar a favor de mais essa extorçao do cidadão contribuinte desse país! Chega! Já passaram de todos os limites aceitáveis.

  3. O governo devia oferecer Distritão e a volta do Financiamento Empresarial em troca da reforma ORIGINAL da Previdência.

    O parecer do deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA) já tinha sido aprovado com folga na Comissão Especial da Câmara, quando recebeu 23 votos favoráveis (precisava apenas de 19) e 14 votos contra.

    Mas daí veio Joesley e bagunçou tudo. E Joesley não tem nada a ver com a reforma da Previdência. A reforma continua boa, e muito necessária.

  4. – Distrital puro ou misto
    – Doação pessoa física limitada por cpf
    – Fim de qualquer financiamento com impostos
    – Candidatura por partido ou avulsa
    – Voto facultativo
    – Teto de verdade para todo o serviço público
    – Cumprimento de pena após segunda instância
    – 10 medidas

    1. Sim. Isto e muito mais. Uma ampla reforma institucional que acabe com as possibilidades de impunidade e a participação na vida pública de políticos investigados, denunciados, indiciados, réus e até condenados.

  5. REFORMA POLÍTICA 2018
    NÃO VOTE EM DEPUTADO DESTA LEGISLATURA.
    O problema não é o sistema e sim os políticos que fazem parte dela.
    Só trocando todos, teremos respeito dos que entrarem.

  6. Primeiro o Barroso tem que fazer Mea culpa , pois sempre foram conivente com os desforos, agora quer posar como um cidadão digno, mas é digno de un chute no traseiro, seu almofadinha.

    1. Isso mesmo! Desaforo é esse “ministro” que foi o relator do processo que acabou com a doação das empresas dizendo, no direito criativo, ser “inconstitucional” e agora vem dar uma de vestal e dizer que deve ser financiamento através de crowdfunding, contudo, empresas também fazem parte da cidadania e da sociedade. Aliás, sem empresas nada existiria. Asqueroso esse “ministro”, não sei se acha deputado, senador ou palpiteiro…!!!

  7. O Barroso foi contra o financiamento privado de campanha.
    Ele é o causador disso, deu chance às cobras, todo mundo sabia que isso iria acontecer. Agora, posa de santo. Ingênuo ele não é.
    O que tornaria barata as eleições do ano que vem e poderia ser tranquilamente implantado no Brasil sem o menor custo é o FIM DO VOTO OBRIGATÓRIO!
    Porém, duvido que os comunas sejam a favor disso. Como sustentar o voto de cabresto dos coronéis do Nordeste e dos bandidos das favelas cariocas?