Bolsonaro aproveita 'reforma ministerial' para despachar Azevedo e Silva

Bolsonaro aproveita reforma ministerial para despachar Azevedo e Silva
Foto: Marcos Corrêa/PR

O Antagonista apurou que Jair Bolsonaro decidiu aproveitar a negociação de uma ampla reforma ministerial com o Centrão para despachar o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, com quem já vinha tendo atritos desde o ano passado.

Azevedo e Silva resistia a demitir o comandante do Exército, general Edson Pujol, que tecia críticas internas à politização das Forças Armadas. Bolsonaro também cobrava do ministro demonstrações públicas de apoio dos comandantes.

Como registramos há pouco, o general Braga Netto deve assumir a Defesa no lugar de Azevedo e Silva, enquanto Luiz Ramos seria deslocado para a Casa Civil e a Secretaria de Governo ficaria com um nome político, provavelmente Ricardo Barros.

Outras mudanças também são esperadas nos ministérios de Meio Ambiente, Justiça e Segurança Pública e até na AGU. Mais cedo, noticiamos a demissão de Ernesto Araújo, que também era uma cobrança do Centrão e que acabou precipitada por um tuíte do chanceler contra a senadora Kátia Abreu.

Leia mais: O furo de reportagem de O Antagonista sobre a mansão comprada por Flávio Bolsonaro em Brasília é dissecado na edição desta semana da Crusoé
Mais notícias
TOPO