Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Bolsonaro confirma que Arthur Weintraub foi um dos primeiros a falar com ele sobre cloroquina

Irmão do ex-ministro da educação Abraham Weintraub era um dos mais atuantes no “Ministério da Saúde Paralelo” que aconselhou o presidente
Bolsonaro confirma que Arthur Weintraub foi um dos primeiros a falar com ele sobre cloroquina
Crédito: Reprodução/Facebook/Jair Bolsonaro

Arthur Weintraub, irmão do ex-ministro da educação Abraham Weintraub, foi uma das primeiras pessoas a falar com Jair Bolsonaro sobre o ‘tratamento precoce’ no combate à Covid. A informação foi confirmada há pouco pelo próprio presidente em sua live semanal no Facebook.

“Uma das pessoas que conversou comigo, logo no início, foi o Arthur Weintraub”, disse o presidente.

Em vídeo divulgado no sábado (5), Arthur disse que aconselhava Bolsonaro sobre medicamentos sem eficácia comprovada contra o coronavírus.

Bolsonaro citou Arthur para defender do ‘tratamento precoce’, que ele passou a chamar de “tratamento inicial”.

Sem apresentar nenhum dado, o presidente afirmou que o país tem supernotificação porque o uso de cloroquina e ivermectina ajudou no tratamento de muitos brasileiros.

“O milagre, com toda a certeza, de termos menor número de mortos por milhão é o tratamento inicial.”

Bolsonaro não tem mais citado o nome dos remédios usados no ‘tratamento precoce’. Agora, ele menciona os medicamentos como “o remédio da malária” e o “remédio do piolho”.

“Talvez eu tenha sido o único chefe de estado do mundo a defender. Não fiz de graça. Não foi da minha cabeça, porque não errei nenhuma.”

O presidente citou ainda um relatório forjado que ele atribuiu ao TCU. Disse que o documento “ainda não conclusivo” sugeriu melhorias no controle das verbas federais enviadas para estados combaterem a pandemia.

Bolsonaro disse que as supernotificações são resultado desses repasses, pois os pagamentos eram condicionados aos números de mortos e infectados pelo coronavírus.

“Muitas pessoas tinha comorbidades e também Covid. Mas a causa da morte ficou como Covid.”

Leia mais: Assine a Crusoé e apoie o jornalismo independente.
Mais notícias
TOPO