Bolsonaro e o agro

Um dos desafios de Jair Bolsonaro é expandir seu “campo de atuação”.

Hoje o presidenciável almoçará, em Brasília, com representantes da Frente Parlamentar da Agropecuária.

Temas relacionados:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 21 comentários
  1. Mas ele defende as bandeiras do agronegócio a tempos, e sempre esteve ao lado do homem do campo do Sul e Centro-Oeste do país, ou dos agricultores do Nordeste. Só falando sobre os terroristas do MST, que depredam propriedades privadas, queimando plantações, ele já ganha essa parcela que produz a comida do dia a dia do brasileiro. Prometendo mais segurança onde a polícia não chega em tempo hábil, com o armamento regrado, ele também agrega votos. No mais, principalmente no Nordeste, que é onde tem o problema da seca, Bolsonaro fala de parcerias com países como Israel, dentre outros de localização e clima adversos parecidos, para trazer para essa região do Brasil tecnologias que permitam tirar o nordeste das mãos dos coronéis da seca e da indústria dos carros pipa.

  2. Antas, não adianta fazerem posts contra o Bolsonaro!
    Em 2019 vocês vão ficar de joelhos, implorando para Jair Bolsonaro (nosso presidente eleito no primeiro turno!).
    Quem viver, vera (‘).

  3. Mas a grande mídia precisará ver o Bolsonaro capinando numa horta p/ ter a certeza de que ele conhece de agricultura para indicar o ministro dessa área. Aliás, essa é uma exigência da mídia apenas para o Bolsonaro. Aos outros, basta usarem uma gravata bonita e dizerem que apoiam o homem do campo.

  4. Mesmo que não aceitemos , somos um país primário e dependente economicamente dos commodities. Apenas precisamos incentivar a pesquisa e o desenvolvimento dessa principal atividade econômica que temos. A insutrialização será consequência disso. Chega de paternalismo e que se inicie o investimento em produção, quanto mais produzir, menor será o valor dos bens produzidos. Reduzir carga tributária dos commodities o repassse para consumo interno melhora, o produtor ganha na rotatividade de sua capacidade produtiva. Se pensar só no Brasil, dá certo. Tem que tirar esses sanguessugas do processo. Se trabalharmos para ser um país sério, seremos os top 3 da economia mundial. Anotem.

  5. A materia de QUEDAS DO IGUAÇU, tentativa de internacionalização, deve estar na pauta, pois nossa soberania está ameaçada. Os brasileiros não aceitam qualquer ameaça nesse sentido. Os produtores deverão receber suas terras de volta.

  6. Os médios produtores rurais tendem a vender suas propriedades e viver de renda
    diante da total insegurança no campo .
    Índios , MST , cangaceiros , saqueadores
    sequestradores . . . forçam os fazendeiros a fugir de suas propriedades , deixando os frutos do trabalho de gerações para trás .

    1. Como diz Lucas, é desse jeito:

      https://www.google.com.br/search?q=collor+sarney+lula+dilma+fhc&tbm=isch&source=iu&ictx=1&fir=kzfwMugXNOG-8M%253A%252C1XqO4FZiDVEBqM%252C_&usg=__BOriyjMaVljxKQx4yb6Bo1nYQQw%3D&sa=X&ved=0ahUKEwium5K2ueHXAhUB02MKHdo6BUQQ9QEIKTAA#imgrc=_

    2. Eu nunca vi o Bolsonaro cheio de Ferraris (compradas com dinheiro público) na garagem da Casa da Dinda, você já? O Collor deve ser comparado a Lula, Dilma, Alckmin, Aécio, Temer… E não a gente honesta.

    3. Ah tá, e verdade. Vi outro dia ele falando em caçar marajás, contando com apoio da grande mídia e fazendo acordos com as velhas raposas da política nacional. Igualzinho…