Bolsonaro: "Por R$ 16 mil bruto, eles não trabalham"

Na live desta noite, Jair Bolsonaro afirmou que Salim Mattar saiu do governo após sentir a “dificuldade de privatizar alguma coisa”.

O presidente afirmou que a saída de Mattar e Paulo Uebel não é considerada uma “debandada”, como definiu Paulo Guedes.

“Salim Mattar é um homem bem sucedido, estava trabalhando por amor à camisa. Ele sabe disso, todo nós sabemos: não é fácil você vender uma empresas, privatizá-la. É uma burocracia enorme. O STF, no ano passado, decidiu que certas estatais, a privatização tem de passar pelo Congresso Nacional. Ali, ainda tem uma base grande de esquerda que vive de aparelhar essas estatias. Sindicato também. Não é fácil.”

Bolsonaro também comentou a saída de Mansueto Almeida, ex-secretário do Tesouro. O presidente sugeriu que o salário e o ritmo de emprego podem ter sido avaliados.

“O Mansueto também saiu. Foi para um banco aí, o BTG. Sabe o salário desse pessoal que está no DAS 6? R$ 16 mil reais. Alguns tem conselho. Por R$ 16 mil bruto, eles não trabalham, se colocar as pessoas que têm um dom mais especial para aquela questão. Tem muitos militares da reserva que vêm para um DAS 4, 5, 6. É R$ 10 mil, não é? É um salário bom, não vamos reclamar aqui, mas pelo ritmo… Não tem hora e ninguém pede para sair mais cedo. Se estiver aqui, é faca na boca. Fica aqui até tarde.”

Leia mais: Bolsopetismo pró-impunidade: a aliança para enterrar a proposta de prisão após condenação em segunda instância
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO