Bolsonaro renova ofensa de cunho sexual a repórter da Folha

Ao deixar o Palácio da Alvorada, nesta terça-feira, Jair Bolsonaro falou sobre o depoimento de Hans River do Rio Nascimento à CPI das Fake News, na semana passada.

Ao falar à comissão, o ex-funcionário de uma agência de disparos de mensagens em massa por WhatsApp ofendeu e fez insinuações de cunho sexual sobre uma repórter da Folha.

“Olha a jornalista da Folha de S.Paulo. Tem mais um vídeo dela aí. Não vou falar aqui porque tem senhoras aqui do lado. Ela falando: ‘Eu sou […] do PT’, certo? No depoimento do Hans River, no final de 2018, para o Ministério Público, ele diz do assédio da jornalista em cima dele”, disse Bolsonaro.

COMO ELE VIROU O VICE QUE BOLSONARO QUER. Saiba mais

Em seguida, o presidente diz, aos risos:

“Ela [repórter] queria um furo. Ela queria dar o furo a qualquer preço contra mim. Lá em 2018, ele [Hans] já dizia que ele chegava e ia perguntando: ‘O Bolsonaro pagou para você divulgar pelo Whatsapp informações?’ E outra: se você fez fake news contra o PT, menos com menos dá mais na matemática. Se eu for mentir contra o PT, eu estou falando bem, porque o PT só fez besteira.”

E ainda:

“Tem um povo aqui [referindo-se ao grupo de simpatizantes na porta do Alvorada]. Alguém recebeu no ‘zap’ uma matéria qualquer que suspeitou para prejudicar o PT e me beneficiar? Ninguém recebeu nada. Não tem materialidade, zero. Você não precisa mentir para falar sobre o PT, os caras arrebentaram com Petrobras, fundo de pensões, BNDES.”

Em 2018, a Folha publicou reportagens sobre a contratação de empresas de marketing que teriam realizado envios maciços de mensagens políticas durante a campanha eleitoral, o que é proibido por lei.

Comentários

Os comentários estão desabilitados