Bolsonaro tem alimentação oral suspensa

O estado de saúde de Jair Bolsonaro “continua estável, sem febre ou outros sinais de infecção”, diz boletim médico divulgado na manhã de hoje pelo Hospital Albert Einstein.

“Os exames laboratoriais permanecem estáveis.”

A alimentação pela boca foi momentaneamente suspensa “devido ao surgimento de uma distensão abdominal”, de modo que o candidato volta a ter “alimentação parenteral (endovenosa) exclusiva até a próxima avaliação”.

A nota é assinada pelos médicos Antônio Luiz Macedo (cirurgião); Leandro Echenique (clínico e cardiologista); e Miguel Cendoroglo (diretor superintendente do hospital).

Bolsonaro, que teve alta ontem da UTI, segue em unidade de cuidados semi-intensivos.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 51 comentários
  1. “Quadro regride”: Isso é desinformação, já tive parente que passou dias se alimentando por essa sonda no pós cirúrgico. Essa reação é normal, pois o organismo tem que reaprender a digerir n

  2. Saude e uma breve recuperaçao é o que desejamos! Alguma noticia do Esfaqueador ou noticia como ele conseguiu abrir uma conta no Itau e ter cartão internacional 4 celulares 1 laptop e gente que paga

  3. Puxa! Mas também…comer pão após jejum? Não há alimentos melhores? Nunca conseguirei entender as nutricionistas dos hospitais. Parece-me que nuca lhe atingem os conceitos modernos da Nutrição.

    1. Nos anos 80, a Grobo devia 100 milhões em moeda da época ao fisco brasileiro. Ao que se sabe, nada foi pago durante os (des)governos petralhas. Isso explica a fúria dos entreveradores ao NOSSO PRÓ

  4. Fico indignado por o Bolsonaro estar passando por tudo isso! Não se pode mais pensar diferente neste País, se não você corre risco de levar pedrada, ser empurrado contra caminhão…um “Chavismo

  5. A retirada permanente desta sonda é a melhor notícia, e o seu retorno precoce parece indicar excesso de otimismo! Esperava um retorno da alimentação, apenas a partir de quinta ou sexta.

  6. Distensão abdominal não é novidade neste tipo de cirurgia. Qualquer paciente acamado em pós-operatório e que tenha passado muito tempo sem alimentar-se pode apresentar este quadro.