Bolsonaro tira do Senado poder de vetar diretores do Dnit

Medida provisória publicada hoje por Jair Bolsonaro tirou do Senado a prerrogativa de sabatinar e aprovar nomes indicados pelo governo para diretorias do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), informa o Estadão.

Agora, basta aos indicados terem “idoneidade moral e reputação ilibada, formação universitária, experiência profissional compatível com os objetivos, atribuições e competências do DNIT e elevado conceito no campo de suas especialidades”.

Será que o novo presidente se dobrará à velha política? Entenda aqui

Temas relacionados:

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 42 comentários
  1. É uma faca de dois gumes. Pode livrar um presidente honesto de ser achacado pelas raposas do Senado. Mas pode também impedir um Senado honesto de vetar nomes de pessoas desonestas para um DNIT rico.

  2. desde que não seja para nomear amigos dos filhos; filhos dos generais e amigos pessoais não deixa de ser uma medida saudável para acabar com as “indicações” dos que vão pagar “rachid”!!!!!

  3. Exelente ação, apesar das críticas em comentários, poder de veto só serve para o senado chantagear o executivo, se não ceder vetam o indicado, mais óbvio impossível, parabéns ao Jair.

    1. E a petebada chora como cadelinhas no cio. As tetinhas vão secando, e a tchurma da lacração perdendo suas boquinhas públicas.

  4. Correta e oportuna decisão do Presidente. Até porque foram com essas “sabatinas” do Senado que saíram as nomeações de nulidades absolutas, como Toffoli e Lewandowski, entre outras aberrações.

    1. O DNIT sempre foi fatia do PP, o partido mais corrupto da nação, juntamente com o PT, claro. Acho que você prefere os “democratas” ladrões.

    2. É uma prerrogativa dada pela Constituição. Se ele sugerisse qualquer mudança na CF, a histeria invejosa e doente da esquerda fracassada ia se rasgar.

  5. As sabatinas do Senado são uma b.o.s.t.a mesmo! Já escolheram Gilmar e Toffoli. Não sei dizer se escolha dos diretores segue a lei das estatais, mas se seguir, é mil vezes melhor que o Senado.