Bomba fiscal: Marco Aurélio cita as pedaladas

Em contraponto ao “refresco” proposto por Barroso aos estados, Marco Aurélio Mello lembra que a União está na mesma situação difícil.

Ele citou o estrago provocado pelas pedaladas de Dilma.

É Marco Aurélio Mello, mesmo?

26 comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200

  1. – Retarddad, cê tá me ouvindo, querido ? – EU espero que você vá para a cadeia pelo dinheiro roubado na campanha e espero que você continue na cadeia pelo dinheiro que roubou nas ciclovias, na industria de multas e furtos diversos do contribuinte paulistano. Aliás não só espero omo prometo não descansar enquanto a sua carcaça fedorenta não estiver numa jaula.

  2. Miga! Mona! PT morreu mesmo. Ninguém, a não ser os devotos militontos, vai confiar no PT ou partido de esquerda no Brasil (e o mundo devia tomar tenência), pelo menos não nos próximos 50 anos. Talvez em 2064 vocês tentem de novo implantar esse regime imundo no Brasil. E vão dar com a cara na parede novamente.

  3. O mais provável é que ele realmente não faça a menor ideia de onde vem o dinheiro… Na máquina eleitoreira o papel do candidato é sorrir para as fotografias enquanto seus assessores se encarregam de sujar as mãos.

  4. O Stedile e demais porraloucas vermeios serão a consciência da autofagia PTeca. ☺ ♫ …. Esta cova em que estás com palmos medida É a conta menor que tiraste em vida É de bom tamanho nem largo nem fundo É a parte que te cabe deste latifúndio. …. ♫

  5. Ninguém noticiou o FRACASSO que foi a reunião da UNASUL de sábado. Marco Aurélio Garcia foi a Quito esperando arrancar alguma condenação ao “golpe”. Não conseguiu nada. A América do Sul já desistiu de Dilma.

  6. Esse ORDINARIO vai negar ate o fim, mas, SABIA de onde vinha o dinheiro e COMPACTUOU com isso! Eh BANDIDO como seus COMPARSAS e tem QUATRO COMPONENTES DE SEU GOVERNO INVESTIGADOS PELA LAVA JATO. Esse ORDINARIO nao parece, assim como nao eh honesto.

  7. A vigilância e o combate precisam ser constantes. Lembrem-se da queda do muro de Berlim e toda a histeria de que o comunismo tinha acabado. Não acabará nunca – e os processos de emburrecimento coletivo estão a mil por hora em nossas desgraçadas instituições de ensino, formando novas gerações de “revolucionários”.