Bomba relógio

A Folha informa que o socorro financeiro do governo federal ao pagamento de dívidas de estados e municípios com a União terá impacto de R$ 90,3 bilhões nas contas públicas até 2019.

O valor é quase duas vezes o que foi gasto no ano passado com investimento.

As informações constam de relatório de auditoria do TCU na Secretaria do Tesouro Nacional. Seja quem for o próximo presidente, ele terá de desarmar essa bomba.

Temas relacionados:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 17 comentários
  1. Menos no Ceará que é o Estado mais líquido da Federação; graças a Ciro Gomes que, quando Governador e já prevendo o caos, comprou a dívida do Ceará com 20 anos de antecedência!

  2. Helena disse: 14 de agosto de 2018 às 07:59…….. Minha Cara Helena a culpa é da população que quer comer todo dia,quer hospital e escola.Isso já é querer abusar do município rs

  3. E Pensar que 90% dos problemas estariam resolvidos se cada estado/município gerisse aquilo que arrecada..Como eles precisam “mandar” pra União ela se torna um balcão de negócios. Dscentralização já

    1. Imposto municipal fica só com município, os resto ds impostos normalmente é tripartite dividido entre estado município e união. só as contribuições e olhe lé que são da União ou seja PIS/Confins etc.

  4. Sem falar no também enorme déficit dá previdência que muitos da esquerda negam e fazem vídeo, mas que infelizmente é real. Abrir empresa no Brasil nos últimos anos só otimista mesmo ou mal informado

  5. E tem que diminuir os impostos para parar de quebrar pessoas e empresas… Se não mudar o ambiente de negócios, se as pessoas e empresas não ganharem dinheiro para aumentar a BASE a ser tributada…

  6. Além do cidadão endividado, os estados também e a união com um enorme déficit fiscal como nunca antes na história deste País, coitado do novo Presidente.

  7. Eu não sei se o Brasil precisa do Bolsonaro, mas o Brasil precisa de Paulo Guedes. Se o Bolsonaro perder e quem vencer for o Álvaro Dias, ele poderia ceder o ministro para esse governo.