Bonat: mensagens cifradas, planilha e recibos dão 'lastro probatório' a nova denúncia contra Lula

Na decisão que tornou Lula réu por lavagem de dinheiro, o juiz Luiz Antonio Bonat afirmou que a acusação do MPF envolvendo o pagamento de propina da Odebrecht por meio de doações ao Instituto Lula “não se escora tão-somente no depoimento de colaboradores”.

Destacou que mensagens trocadas entre Marcelo Bahia Odebrecht e o ex-diretor do setor de propinas Fernando Migliacci “fazem menção, em linguagem cifrada, a valores que seriam descontados da conta corrente de propinas e remetidos ao Instituto Lula”.

As mensagens, ressalta, são de 2011 e 2013, antes da Operação Lava Jato e do acordo de delação dos executivos da construtora e do ex-ministro Antonio Palocci.

Bonat também menciona planilha apreendida com Paulo Okamotto, ex-diretor do Instituto Lula, onde aparecem valores solicitados a diversas empreiteiras, incluindo as doações de R$ 4 milhões da Construtora Norberto Odebrecht.

“Os próprios recibos das doações feitas pela Construtora Norberto Odebrecht ao Instituto Lula são indícios dos crimes imputados aos acusados. Tais evidências bastam, em um juízo de cognição sumária, para o recebimento da denúncia, eis que detém ela lastro probatório mínimo em desfavor dos acusados acima nominados”, diz a decisão.

Quando o Ministério Público Federal fez a denúncia, O Antagonista mostrou os recibos. Leia aqui.

Leia mais: O mecanismo no STF.
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 53 comentários
TOPO