Braskem sonega dados, diz Marcelo Odebrecht

A Braskem, braço petroquímico do grupo Odebrecht na construção civil, recusa-se a fornecer para Marcelo Odebrecht mensagens eletrônicas de interesse da investigação sobre parlamentares federais, que podem ser usadas como provas no seu acordo de delação fechado com a PGR.

Foi o que disse o próprio Marcelo à Polícia Federal em depoimento de 16 novembro, quando ainda estava preso em Curitiba, informa a Folha.

Odebrecht foi indagado sobre “apoios prestados” ao grupo Odebrecht em “atos legislativos”, em especial “medidas provisórias”, por parlamentares federais como o senador Aécio Neves.

Esse ponto da investigação pode identificar eventuais contrapartidas dadas por parlamentares a doações eleitorais oficiais, propina e caixa dois.

A Braskem alegou, segundo Marcelo, “que se tratavam de emails classificados como ‘privilegiados’ por transitar pela área jurídica”.

Para ele, no entanto, são “informações relevantes que em nada dizem respeito à relação ‘advogado-cliente'”.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. luizs disse:

    marcelinho pirou! Se a Braskem pertence à odebrecht, é só mandar embora quem está sonegando a informação, ora essas.

Ler comentários
  1. Não cumpre o acordo? Cadeia! disse:

    Não cumpre o acordo? Metam o safado na cadeia novamente.

  2. O crime compensa no Brasil !! disse:

    Não tem problema!!! Ele volta pra cadeia, e fica tudo certo, não é mesmo??? Aliás de onde nunca deveria ter saído!! Vc já pararam pra analisar que os que pagaram propina estão/ estavam presos; mas os que receberam não!!!!!por que será???

  3. Morenos? disse:

    A história dos “morenos” do Aécio tem de ser investigada. Ta aí a resposta pra tudo.

  4. tutameia disse:

    fico pensando nos caras que ganham a vida com essas noticias...dia e noite com essas coisas na cabeça. que será que tomam para o estomago?? e para dormir???