Bretas abre mão de julgar caso de Milton Lyra e Marcelo Sereno

Marcelo Bretas abriu mão de julgar a ação penal decorrente da Operação Rizoma, que investiga pagamento de propina para direcionar o investimento de fundos de pensão, informa a Folha.

A medida, explica o jornal, é consequência da decisão do TRF-2 de redistribuir para outro juiz a acusação contra o empresário Arthur Pinheiro Machado, principal nome da denúncia.

Abel Gomes, do TRF-2, aceitou argumento da defesa de Machado de que não há conexão entre a Rizoma e as investigações contra Sérgio Cabral.

O empresário é acusado de pagar propina para obter recursos de fundos de pensão, quitada pelos mesmos doleiros que atuaram no caso de Cabral –por isso o processo foi enviado a Bretas.

Embora a decisão do TRF-2 valesse só para Machado, o juiz da Lava Jato no Rio estendeu a mudança aos outros réus, entre eles o lobista Milton Lyra e o ex-secretário nacional do PT Marcelo Sereno.

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Temos que mudar o SISTEMA! disse:

    É o sistema impedindo que o bom trabalho de juízes decentes e patriotas, cumpridores de suas funções, seja exercido como se deve! Por isso, é importante que todo mundo assista a entrevista do Príncipe Dom Luiz Philippe de Orléans e Bragança para o canal do Nando Moura!!!

Ler comentários