Bumlai usou fornecedora da Petrobras para sacar recursos do BVA

José Carlos Bumlai sempre disse que criou a Immbrax apenas para importar equipamentos para suas fazendas, embora a empresa tenha firmado contratos milionários com a Petrobras.

O Antagonista descobriu agora que Bumlai usou a Immbrax para levantar empréstimos junto ao BVA antes da intervenção do BC e posterior falência. O nome do empresário amigão de Lula está numa ação de execução de dívidas da massa falida do banco.

Bumlai, o filho Maurício e o então sócio Silmar Bertin, dono do grupo Bertin, são os alvos de uma execução de R$ 18,2 milhões. O empréstimo obtido em 2012 em nome da Immbrax caiu diretamente na conta de Bumlai.

A Lava Jato já havia identificado o depósito, mas não sabia a procedência do valor. Bumlai também pegou no BVA pouco antes da intervenção outros R$ 3,8 milhões.

Curiosamente, no processo também é parte interessada o Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) San Marino, que tinha como gestora e administradora a enroladíssima corretora Planner.