Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Butantan e Anvisa se recusam a divulgar comunicado sobre evento em estudo da Coronavac

"Evento adverso grave", sem relação com a vacina, foi comunicado em novembro de 2020
Butantan e Anvisa se recusam a divulgar comunicado sobre evento em estudo da Coronavac
Foto: Governo do Estado de São Paulo

O diretor do Butantan, Dimas Covas, se recusou a atender um pedido via Lei de Acesso à Informação para fornecer o comunicado à Anvisa de um evento adverso grave durante o ensaio clínico da Coronavac, em novembro de 2020.

A Anvisa, por sua vez, também recusou-se a fornecer a mesma informação.

Um “evento adverso grave” não é a mesma coisa que uma “reação adversa grave”. O evento não necessariamente tem a ver com a vacina; a reação, sim.

Em novembro do ano passado, Covas disse em coletiva de imprensa que a Anvisa teria sido informada do evento adverso no dia 6. A agência suspendeu o ensaio clínico da Coronavac no dia 9. E autorizou a retomada dos estudos no dia 11.

Como nem o Butantan nem a Anvisa publicaram os documentos, não é possível verificar o motivo de as decisões terem sido tomadas nessas datas.

Reprodução/Butantan/via LAI
O Antagonista pediu as informações ao Butantan ainda em novembro de 2020. O pedido foi recusado, e a reportagem recorreu em 1ª instância. Com a nova recusa, informada nesta segunda (21) pelo Butantan, a reportagem recorreu de novo.

Reprodução/Fala.BR/CGU/via LAI
A Anvisa recusou-se a responder ao mesmo pedido, alegando nesta sexta (24) que a Lei de Acesso à Informação não se aplica “nos casos de informações relativas à atividade empresarial de pessoas físicas ou jurídicas de direito privado obtidas pelas agências reguladoras ou por outros órgãos ou entidades no exercício de atividade de controle, regulação e supervisão da atividade econômica cuja divulgação possa representar vantagem competitiva a outros agentes econômicos”.

A reportagem também recorreu da recusa da Anvisa.

A Secretaria de Segurança Pública do estado de São Paulo informou a O Antagonista que o caso do evento adverso “foi arquivado pela Justiça, após a investigação pelo 93º DP (Jaguaré). Todos os laudos periciais, incluindo o exame toxicológico, foram concluídos e encaminhados ao Judiciário. Os resultados apontaram que a morte se deu em razão de uma intoxicação exógena por agentes químicos. No sangue da vítima foi constatada a presença de opioides, sedativos e álcool”.

Leia também:

A misteriosa agenda de Dimas Covas em Brasília antes da CPI

Butantan admite ter escolhido Serrana sem edital para projeto de vacinação

Dimas Covas alega ‘segredo de negócio’ para não revelar dados sobre eficácia da Coronavac em variantes

Butantan responde a pergunta sobre Coronavac com PowerPoint da Anvisa

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO