Byron pessimista com Janot

Rodrigo Janot anda literário neste final de 2015. Ele escreveu um artigo para o Estadão em que afirma o que se segue:

“Por fim, no anoitecer deste ano, que certamente entrará para a História, sem romantismo quixotesco, mas também sem o pessimismo byroniano, deixo uma mensagem de esperança: o Brasil passará e os bons passarão com ele.”

Lord Byron continua pessimista com Rodrigo Janot, depois que soube que o procurador-geral da República prega nos bastidores da Câmara para que o TCU seja totalmente excluído da supervisão dos acordos de leniência entre empresas bandidas e o governo.

200