Cada vez mais patético

Um editorial do Estadão aponta o que seria “a reforma à Dilma”:

“De acordo com o que circula em Brasília, o “corte” de pelo menos cinco pastas se limitaria à retirada do status ministerial do Banco Central, Gabinete de Segurança Institucional, Controladoria-Geral da União, Advocacia-Geral da Uniãoe Secretaria de Assuntos Estratégicos. A famosa austeridade não passaria de encenação sem efeitos práticos. Além disso, Dilma manteria o status ministerial de duas secretarias que representariam “conquistas históricas” do PT: Política para as Mulheres e Igualdade Racial. Já não mereceria a mesma deferência a Secretaria da Micro e Pequena Empresa, o que apearia o ex-vice-governador de São Paulo Guilherme Afif Domingos de seu precioso cargo no governo federal.”

Isso tudo está ficando cada vez mais patético.

Faça o primeiro comentário