CADE ouviu Moro

O acordo de leniência firmado pela Camargo Corrêa com o CADE contou com a inédita assistência de integrantes do Ministério Publico Federal no Paraná que participam da força-tarefa da Lava Jato. A sugestão foi feita pelo juiz Sérgio Moro em despacho recente sobre a condenação da OAS. Para Moro, a presença do MPF na mesa de negociação garante “segurança jurídica” para a empresa, a sociedade e a vítima.

Moro é favorável aos acordos de leniência, que, segundo ele, são a melhor solução para as empresas, considerando sua responsabilidade para a manutenção da atividade econômica do País e a garantia de milhares de postos de trabalho. Desde que, enfatize-se, com a participação de procuradores, ao contrário do que queria Luís Inácio Adams.

Moro está mudando para melhor as instituições brasileiras.