ACESSE

Câmara deixa caducar MP que liberava saque do FGTS

Telegram

A Câmara cedeu à pressão do Planalto e deixou caducar a medida provisória que liberava o saque de R$ 1.045 das contas do FGTS.

A MP estava pautada para votação nesta tarde, mas deputados aprovaram, por 294 votos a 148, um pedido de retirada de pauta.

A manobra do governo teve apoio da nova base do governo, composta por PP, PL e Republicanos, e foi chancelada pelo MDB e DEM. Apenas a oposição e o Novo foram contrários.

A proposta precisava ser votada ainda nesta terça (4) para não perder a validade. Rodrigo Maia anunciou que o tema será tratado em um projeto de lei.

O governo acionou a articulação política após o Senado ampliar as possibilidades de saques de recursos do FGTS. O Ministério do Desenvolvimento Regional estimava em R$ 120 bilhões o impacto do texto aprovado pelo Senado.

No plenário, Vitor Hugo defendeu que a MP perdesse a validade.

“Nesse caso particular, é importante destacar que o fundo financia a habitação no país. E quando a gente começa a atingir esse fundo em particular, estamos falando em moradia para as pessoas mais carentes.”

Leia mais: O DNA da corrupção

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 9 comentários