Carlos Bolsonaro em boas mãos

Carlos Bolsonaro em boas mãos
Foto: Divulgação/MPRJ

O novo procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro, Luciano Mattos, decidiu controlar os desdobramentos de investigações sensíveis do Ministério Público enquanto reformula a atuação dos grupos responsáveis por conduzi-las.

A partir de uma nova resolução, qualquer nova demanda judicial dos grupos especializados requer uma autorização expressa de Mattos.

Isso inclui pedidos de prisão e oferecimento de denúncias.

Inicialmente a medida valia por 15 dias. Agora, foi estendida até abril. O procurador deve divulgar um novo formato de atuação dos grupos.

A determinação afeta diretamente investigações mais sensíveis do órgão, como a sobre o vereador Carlos Bolsonaro, conduzido pelo Gaecc (Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção), e o homicídio da vereadora Marielle Franco.

 

Leia mais: A prisão do deputado Daniel Silveira, que ofendeu ministros do STF num vídeo, é mais um capítulo da avacalhação da democracia brasileira.
Mais notícias
TOPO