ACESSE

Carlos Fernando dos Santos Lima: Sou amigo do Gandola

Telegram

Em sua coluna na nova Crusoé, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima lembra o quadro humorístico em que o personagem de Jô Soares, ao se candidatar a um emprego, dizia “quem me mandou aqui foi o Gandola”.

“Somente após um ano e meio de programa a censura percebeu que Gandola se referia a uma espécie de túnica que faz parte do uniforme militar e determinou a troca do nome (…), pois o Gandola, por óbvio, era a referência aos militares no poder e à pequena corrupção do apadrinhamento, tão comum no Brasil.

Interessante que esses dois fenômenos repetem-se hoje na farsesca república que vivemos. Os Gandolas continuam por aí, como sempre, e quando descobertos, muitas vezes, recorrem ainda à censura como forma de calar a crítica legítima. Esses ‘amigos do rei’ transitam de bermudas por palácios de Justiça, alcançam medidas judiciais inéditas para seus ricos clientes, ofendem agentes públicos por terem tido a ousadia de tentar fazer valer a lei para todos, enfim, dormem com nossa prostituída República na cama, local e maneira que escolhem.”

Clique AQUI para ler a íntegra da coluna.

Leia mais: Moro exclusivo: 'Um teste moral para o país'

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 12 comentários