Carne Fraca: Justiça condena ex-superintendente do Ministério da Agricultura

Na primeira sentença decorrente da Operação Carne Fraca, o juiz Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara Federal de Curitiba, condenou hoje três pessoas, entre elas Gil Bueno de Magalhães ex-superintendente regional do Ministério da Agricultura no Paraná.

Gio foi condenado a 7 anos, 9 meses e 15 dias de prisão pelos crimes de advocacia administrativa, corrupção passiva, peculato e uso de atestado médico falso.

Também foram condenados Antonio Garcez da Luz, ex-chefe do escritório do Mapa em Foz do Iguaçu (4 anos e 1 mês pelos crimes de corrupção passiva e peculato culposo), e Carlos Alberto de Campos, assistente administrativo (condenado a 3 anos e 8 meses por peculato).

Na mesma sentença, Josegrei absolveu quatro dos 60 denunciados pelo MPF: Arlindo Alvares Padilha Júnior, policial federal, absolvido da prática do crime de peculato; Guilherme Dias de Castro, agente de atividades agropecuárias, absolvido da prática do crime de peculato; Cláudia Yuriko Sakai, empresária, absolvida da prática do crime de corrupção passiva; e Edson Luiz Assunção, agente de atividades agropecuárias, absolvido da prática do crime de peculato.

Confira a íntegra da SENTENÇA.

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Isso é pra mostrar que essa operação foi necessária. Na época da deflagração, tinham irresponsáveis falando que o problema era minúsculo perto do prejuízo das exportações.

Ler mais 6 comentários
  1. Isso é pra mostrar que essa operação foi necessária. Na época da deflagração, tinham irresponsáveis falando que o problema era minúsculo perto do prejuízo das exportações.

  2. .
    Enquanto isso, o MPF¹³ da Lavajato continua claramente protegendo Dilma, a responsável por um prejuízo de bilhões na Petrobrás – crime de lesa-pátria!
    .