Caso Marielle: Presidente dos Correios diz desconhecer furto de munições destinadas à PF

O presidente dos Correios, Guilherme Campos Júnior, disse ao Globo que não é de conhecimento da empresa a informação dada por Raul Jungmann de que houve furto de munições destinadas à Polícia Federal em uma sede da estatal na Paraíba.

O ministro da Segurança Pública citou o caso após a revelação de que a munição usada para matar a vereadora Marielle Franco era do lote UZZ-18, destinado à PF em 2006.

“Se o ministro Jungmann tiver alguma informação que a gente não tem, eu espero que nos passe”, declarou o presidente dos Correios.

Jungmann manteve a declaração e disse que a PF checa se há relação entre os desvios de munição e o crime.

Guilherme Campos afirmou que uma apuração interna sobre o assunto começará a ser feita na segunda-feira.

“Os Correios não transportam armas e munição. No passado recente, não houve transporte para nenhum órgão.”

Ele fez uma ressalva sobre a possibilidade de esse tipo de serviço ocorrer se houver uma autorização oficial do Exército, mas frisou que não há registro disso nos últimos anos.

 

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 14 comentários
  1. Igual a todo mundo da fcção PETRALHA.
    nINGUEM SABE DE NADA, NÃO VIU NADA, NÃO SABE NEM ONDE FICA A SEDE DOS CORREIOS.
    Como igual a todo PETRALHLA, se acontecer um estupro dentro da casa desses caras, com eles lá dentro, ainda assim DIRÃO QUE NÃO SABEM DE NADA.
    É UMA QUADRILHA DE VAGABUNDOS EM DECADÊNCIA MESMO.
    VÃO CHORANDO PRA CURITIBA CAMBADAS …

  2. Jungmann é comunista e tem compromisso com o projeto lulo petista em desmoralizar as FFAA. O mesmo ocorre com os generalecos da Odebrecht, Odeboas e Etch goyecht. Estamos perdidos.

  3. Também achei ideia idiota. Serve mais para disfarçar. Prefiro que liberem o vídeo com imagens anteriores a saída dos carros, desde a chegada, que dizem ter ocorrido duas horas antes. Além de noticiarem que um dos comparsas falou ao telefone. Então saiu do carro. A câmera de rua não teria como filmar o sujeito falando ao telefone dentro do carro. Não querem liberar imagens. Não é do interesse do governo e nem de partidos. Pode ter sido traficantes muquiranas. Profissionais? Saindo do carro em frente a câmera de rua? Deixar pistas? Só quem não tem medo de morrer ou sabe que vai morrer cedo ou quer aparecer? Parece coisa de traficante moleque e pau mandado. Aí vem esta conversinha pra não revelar o vídeo. Mas já apareceu esta contradição nas notícias até na rede de tv

  4. Munição enviada por correio? Tá brincando! É sério? Ainda mais pelo Correio do Bananão?
    Em um país onde os caras roubam milhões de dólares de um aeroporto em cinco minutos sem que alguém perceba qualquer anormalidade, acham que haveria segurança no Correio do Bananão?

  5. Quer saber quem matou esses dois? Chame o Jack Bauer e mande ele interrogar quem teve a brilhante ideia, logo após o assassinato, de comparar as balas usadas para matá-los com um lote específico que foi roubado da Polícia Federal em 2006. Simples assim.

  6. Essa história do roubo da munição da PF utilizada em assassinatos está ficando cada vez mais cabeluda.
    Um roubo que, segundo se comenta, aconteceu há 12 anos atrás e até hoje ninguém foi preso.
    Já se sabe também que a PF não faz (ou não fez) uma espécie de “cadeia de custódia” da munição distribuída aos agentes.