ACESSE

CCR faz acordo e cita doação em caixa 2 para Alckmin, Serra e Kassab, diz jornal

Telegram

A CCR, que atua no mercado de concessões de estradas, metrôs e aeroportos, e o Ministério Público de São Paulo vão anunciar hoje o fechamento de um acordo, no qual a empresa relata ter doado R$ 44 milhões para o caixa dois de políticos de São Paulo, em valores corrigidos, publica a Folha.

Os nomes dos políticos estão sendo mantidos sob sigilo, mas o jornal apurou que fazem parte do grupo:

– Geraldo Alckmin (R$ 5 milhões entregues ao cunhado do ex-governador, Adhemar Ribeiro, também citado pela Odebrecht como operador de recursos ilícitos para campanhas do tucano);

– José Serra (valor intermediado pelo empresário Marcio Fortes, também citado pela Odebrecht como operador do atual senador);

– e Gilberto Kassab, futuro chefe da Casa Civil do governador João Doria.

“Por ser concessionária de serviço público, a CCR é proibida por lei de fazer doações a partidos.

Para se livrar de processos que teria de responder, a empresa pagará uma multa de R$ 81,5 milhões para o governo paulista e destinará R$ 17 milhões para a construção da biblioteca da Faculdade de Direito da USP.”

Conheça as questões definidoras do futuro governo — e do Brasil AQUI

Comentários

  • Maria -

    Muito bom!!!! Construir o prédio da Biblioteca da USP é perigo na certa..... As PTzadas estão lá....

  • ANDRE -

    Não que a informação não seja de interesse geral, mas lei é lei e deve ser cumprida. Portanto, a grande dúvida: se a informação é SIGILOSA, como se "apuraram" os nomes? Há informantes pago

  • Tetakoawara -

    Pelo visto podemos demonstrar a seguinte fórmula matemática: A.bandido=A.ladrão (simplificando temos) político=ladrão cqd

Ler 68 comentários