Celso desmarca julgamento virtual sobre interrogatório de Bolsonaro

Celso desmarca julgamento virtual sobre interrogatório de Bolsonaro

Celso de Mello desmarcou o julgamento virtual que seria iniciado na sexta (2) para decidir se Jair Bolsonaro vai depor por escrito ou presencialmente no inquérito sobre a interferência na Polícia Federal.

O objetivo é dar a Sergio Moro a oportunidade de defender o depoimento presencial, no qual seus advogados poderiam fazer perguntas ao presidente.

Relator do caso, Celso de Mello decidiu que a forma do depoimento será definida numa sessão normal do plenário, em julgamento por videoconferência transmitido ao vivo. Nesse tipo de sessão, os ministros debatem o tema em tempo real, o que não ocorre nas sessões virtuais.

Cabe agora a Luiz Fux, presidente do STF, marcar uma nova data para esse julgamento.

No despacho de hoje, Celso de Mello deu cinco dias para os advogados de Sergio Moro contestarem o recurso em que a Advocacia-Geral da União, que faz a defesa de Bolsonaro, pediu o depoimento por escrito.

O depoimento presencial interessa à defesa do ex-ministro, uma vez que seus advogados também poderão fazer perguntas ao presidente. Como Moro também é investigado no caso, a defesa tenta provar que de fato houve interferência na PF. Caso contrário, ele pode ser acusado por denunciação caluniosa e crime contra a honra de Bolsonaro.

O julgamento virtual — no qual ministros apresentam votos por escrito, num prazo de 10 dias e sem debates –, foi agendado por Marco Aurélio Mello, que assumiu o inquérito provisoriamente durante a licença médica de Celso de Mello. Ele adiantou voto a favor do depoimento por escrito.

No despacho que desmarcou o julgamento virtual, Celso de Mello afirmou, “com máxima e respeitosa vênia”, que Marco Aurélio não poderia ter agido assim. Segundo o decano, o relator substituto só pode tomar esse tipo de decisão em casos urgentes.

“Em uma palavra: o substituto regimental não tem (nem pode ter) mais poderes, na condução do feito, do que aqueles incluídos na esfera de competência do Relator natural”, afirmou.

Leia mais: Moro exclusivo: você não deve perder essa reflexão sobre ética pessoal e nacional
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 52 comentários
TOPO