Celso vota contra a prisão

Celso de Mello manterá seu voto proferido em fevereiro, contra a prisão de condenados em segunda instância.

O decano defende que “a sensação de impunidade não pode ser atribuída à presunção de inocência” — e fala em valores como “princípio democrático” e “liberdade”.