Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Cerca de 40% dos pacientes da Prevent em estado grave de Covid morreram em São Paulo

Um relatório da Covisa entregue à CPI da Prevent, na Câmara de São Paulo, indica uma taxa de mortalidade maior do que a relatada pelos diretores da empresa
Cerca de 40% dos pacientes da Prevent em estado grave de Covid morreram em São Paulo
Foto: Robson Negrinni/O Antagonista

Cerca de 40% dos pacientes em estado grave de Covid da Prevent Senior morreram em 2020, segundo dados da Covisa, órgão de Vigilância Sanitária vinculado à Prefeitura de São Paulo.

O documento foi entregue nesta quinta-feira (14) à CPI da Prevent da Câmara Municipal, que começou a colher depoimentos hoje.

O número é maior do que os 22% citados pelo diretor da operadora, Pedro Batista, em depoimento à CPI da Covid, do Senado.

De acordo com Luiz Artur Vieira Caldeira, coordenador da Covisa, a Prevent Senior notificou 7.705 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave em 2020, entre os quais 5.431 foram provocados pela Covid. Entre eles, 2.210 foram fatais.

Em 2021, o percentual caiu para 35,16%.

Caldeira disse que pediu à Secretaria Estadual de Saúde uma intervenção nos hospitais da operadora em março de 2020, mas não obteve resposta.

Em nota, a Prevent Senior esclareceu:

“É preciso analisar os dados nos contextos adequados para evitar conclusões precipitadas e equivocadas. Dentre o total de 55 mil casos confirmados na rede da operadora, a taxa de mortalidade é de cerca de 7% – inferior às médias observadas em relação ao Estado. Para os casos de pacientes internados em UTI, o único estudo que permite comparações foi publicado na Revista Brasileira de Geriatria, em julho de 2020. Ao analisar dados de hospitais do Estado (públicos e privados, com dados até o final de maio de 2020), mostra que a taxa de mortes entre internados nas UTIs dos hospitais da Prevent Senior foi de 40% contra 72% observado na média estadual. É importante, ainda, analisar os óbitos por faixa etária, tendo-se em vista a maior vulnerabilidade entre pacientes mais idosos. Todos os dados estão à disposição da CPI municipal.”

Mais notícias
TOPO