ACESSE

Cesare Battisti: o terrorista escapou graças à Justiça

Telegram

O caso do terrorista Cesare Battisti é ilustrativo do alto preço que ainda se paga pela ideologização esquerdista do estado brasileiro durante os anos do petismo — e da incompetência proposital da Justiça brasileira e adjacências.

Julgado culpado por quatro assassinatos na Itália entre 1977 e 1979, além de ter ferido um adolescente que acabou numa cadeira de rodas, o esquerdista Battisti foi “refugiado político” na França do socialista François Mitterrand, mas escapou de lá em 2004, quando o país decidiu revogar seu status.

Acabou preso no Rio de Janeiro em 2007.

Começou, então, uma campanha promovida por Tarso Genro, ministro da Justiça petista, para evitar que o Brasil cumprisse o acordo de extradição de criminosos assinado com a Itália, uma democracia ocidental amiga.

No final de 2009, o STF autorizou a extradição do terrorista,  mas disse que a palavra final caberia ao presidente da República.

No último dia do seu mandato, Lula negou a extradição de Battisti.

Gentilmente pressionado por Roma, Michel Temer resolveu expulsar o terrorista para a Itália — antecipando-se ao que Jair Bolsonaro prometera fazer, caso fosse eleito. Bolsonaro disse que, se o imbróglio sobrasse para ele, mandaria o terrorista “de presente para a Itália”.  Battisti considerou a declaração uma “fanfarronice”, depois de ser pego tentando fugir para a Bolívia, em outubro do ano passado. Preso na fronteira com 6.000 dólares e 1.300 euros, o terrorista foi acusado de lavagem de dinheiro e evasão de divisas — além, é claro, da tentativa de fraudar o acordo que lhe permitiu ficar no Brasil.

Estabeleceu-se, então, uma discussão surrealista sobre se Temer poderia revogar uma decisão de Lula. Consultados, a Procuradoria-Geral da República, a Advocacia-Geral da União e o Ministério da Justiça declararam que o presidente teria competência para rever a decisão do hoje presidiário. Enquanto suas excelências deitavam e rolavam no juridiquês, a defesa de Battisti conseguiu soltar o terrorista, que foi obrigado a usar tornolezeira.

O caso foi parar no STF, nas mãos do ministro Luiz Fux, que o engavetou até depois da eleição presidencial, a fim de ver para que lado o vento soprava. Finalmente, no dia 13 de dezembro, depois da vitória de Bolsonaro, que reforçara a vontade de despachar o terrorista para a Itália, Fux determinou a prisão de Battisti, para que ele fosse extraditado.

No dia seguinte, Temer assinou a extradição; o presidente da Itália, Sergio Mattarella, agradeceu ao brasileiro pelo “gesto”.

Tarde demais.

Livre das tornozeleiras eletrônicas desde abril, por uma decisão do STJ, ninguém controlava Battisti, que agora está foragido.

A última imagem fotografia conhecida de Battisti é do dia 5 de novembro.

Muito amadorismo”, como bem definiu ex-deputada ítalo-brasileira Renata Bueno, acerca da falta de vigilância da PF (parabéns, aliás, ao diretor-geral, Rogério Galloro).

Aparentemente sem pistas, a Polícia Federal divulgou retratos com imagens dos possíveis disfarces que Battisti poderia usar para evitar a prisão

A verdade é que ele já deve estar na Bolívia ou outro país da América Latina governado por um esquerdista.

O terrorista escapou graças à Justiça brasileira.

 

Brasil, 2019 — O seu guia para compreender o ano que vai sacudir a nação (e sobreviver a ele) AQUI

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 44 comentários