Chanceler de Bolsonaro diz que combaterá "alarmismo climático" e "pautas abortistas"

O futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo afirmou em artigo na Gazeta do Povo que combaterá políticas que, no próprio MRE, compactuam com:

– o “alarmismo climático”;

– as “pautas abortistas e anticristãs em foros multilaterais”;

– a “destruição da identidade dos povos por meio da imigração ilimitada”;

– a “transferência brutal de poder econômico em favor de países não democráticos e marxistas”;

– e a “suavização do tratamento dado à ditadura venezuelana”.

A meta do futuro chanceler do governo de Jair Bolsonaro é extirpar das relações internacionais brasileiras a “ideologia do PT”, ou seja, o “marxismo cultural” que busca controlar não mais os meios de produção material, mas de produção intelectual na imprensa e na academia.

Eis alguns trechos do artigo de Ernesto Araújo:

– “Vencida na economia, a ideologia marxista, nas últimas décadas, penetrou insidiosamente na cultura e no comportamento, nas relações internacionais, na família e em toda parte.”

– “Em uma democracia, a vontade do povo deve penetrar em todas as políticas. Mas as pessoas daquele sistema midiático-burocrático, que gostam tanto de falar em democracia, não sabem disso. Perguntam-se, assustadas: ‘O que vão pensar de mim os funcionários da ONU, o que vai dizer de mim o ‘New York Times’, o que vai dizer ‘The Guardian’, ‘Le Monde?'”

– “Alguns jornalistas estão escandalizados, alguns colegas diplomatas estão revoltados. Revoltados por quê? Porque pela primeira vez terão de olhar o seu próprio povo na cara e escutar a sua voz?”

Comentários

  • Erika -

    Os "progressistas" se fecharam em uma bolha, preocupados estão com suas causas pessoais.

  • Icnox -

    Agora sim, alguém para representar a maioria do povo do nosso país, que é Cristã. E que o socialismo e comunismo tenta influenciar. Mas a fé em Deus é mais forte.

  • delcides -

    Até que enfim um chanceler com coragem de combater os ideais marxistas,que foram uma praga no Brasil nas últimas décadas.

Ler 181 comentários