Ciro distorce sua declaração sobre Moro

Telegram

Ao alegar em entrevista à Jovem Pan que “muitas vezes as pessoas retiram do contexto” o que ele diz, Ciro Gomes tentou minimizar sua declaração sobre receber a turma de Sergio Moro “na bala”.

“Eu nunca disse isso sem uma brutal condicional. Que é uma obviedade. Se eu não fiz nada errado, e alguém – não era Sergio Moro – manda me prender, eu tenho todo o direito de receber à bala. Coisa que nunca na vida eu usei. Não sei usar arma.”

Confrontado com o fato de que não existe essa possibilidade sem o cometimento de um crime, Ciro se saiu assim:

“Ah, existe, sim. Existe, sim. Eu sou professor de Direito. Está lá escrito: a legítima defesa é que não comete crime aquele que repele injusta agressão, atual ou iminente, contra si ou terceiros, embora utilizando moderadamente dos meios necessários. Percebe? A minha liberdade é um valor que eu dou a ela uma importância absoluta. Eu não saberia estar preso inocente.”

Ciro acrescentou:

“A expressão da indignação com as coisas e com as mazelas do Brasil é uma constante na minha vida, o que não me absolve de ter falado uma besteira.”

Mais do que besteira, Ciro também fala mentira. Ele mentiu ao alegar que “não era Sergio Moro” de quem ele falava. Era, sim. No vídeo original, Ciro fala da prisão de um blogueiro determinada por Moro e, em seguida, diz:

“Ele [Moro] que mande me prender. Eu recebo a turma dele na bala.”

Comentários

  • GCChaves -

    Além de mentiroso é frouxo, está roendo a corda e se borrando de medo do homem da capa preta honesto. É Bolsonaro no primeiro turno. É MELHOR JAIR SE ACOSTUMANDO!

  • EuEu -

    Gente, dá uma bala Chita para o Ciro chupar. Assim ele mantém a boca ocupada e nos poupa de suas asneiras

  • Amadeu -

    O tempo passou mas o coronelismo no nordeste não. A família Gomes se apoderou do Ceará.

Ler 78 comentários