Ciro Nogueira diz que Bolsonaro "ganhará com tranquilidade" em 2022

Ciro Nogueira diz que Bolsonaro “ganhará com tranquilidade” em 2022
Foto: Reprodução/Redes sociais

No sábado, O Antagonista publicou uma radiografia completa do jogo político para 2022 até aqui.

Como dissemos, o Progressistas, partido presidido pelo senador piauiense Ciro Nogueira, é um dos que Jair Bolsonaro espera contar em sua coligação para tentar se reeleger no ano que vem.

Nogueira afirmou a O Antagonista, por meio de sua assessoria, que estará com o presidente na disputa presidencial. E que, “com certeza”, Bolsonaro vai ganhar.

“Com certeza. Ganhará com tranquilidade.”

Em novembro de 2017, em entrevista à TV Meio Norte, do Piauí, Nogueira foi provocado a falar sobre Jair Bolsonaro. O senador disse:

Eu tenho muita restrição [a Bolsonaro], porque é um fascista, ele tem um caráter fascista, preconceituoso. É muito fácil você ir para a televisão dizer que vai matar bandido, que vai não sei o quê. É um discurso muito fácil. Mas isso não é para presidente da República. O presidente da República é a pessoa que vai gerar emprego e renda, que vai cuidar da saúde, vai cuidar da infraestrutura, do saneamento. Eu conheço o Bolsonaro: ele não tem essa capacidade de fazer isso, não tem essa capacidade de fazer isso. Ele nunca geriu nada, nunca foi prefeito, governador, mostrou algum trabalho. Só esse discurso de que vai matar bandido. É um discurso muito fácil.”

Em meio à pandemia, porém, o então lulista e dilmista se aproximou do Palácio do Planalto e não demorou para começar a ser chamado de “filho 05” de Bolsonaro. Trabalhou para emplacar o conterrâneo Kassio Nunes Marques no STF e garantiu espaços importantes na administração federal, como no Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE), hoje comandado pelo ex-chefe de gabinete do senador.

Bolsonaro ainda está sem partido. Nogueira já colocou o Progressistas como opção.

Leia mais: Por 6 votos a 5, maioria no Supremo impõe derrota ao relatório de Gilmar Mendes e proíbe reeleição de Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO