Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Ciro Nogueira emprega assessora de presidente do Cade, cotado para lugar de André Mendonça

Alexandre Macedo tem relação histórica com ministro e irmã, Sabá Cordeiro, é chefe de gabinete na Casa Civil; também foi sua assessora no Senado e na Câmara
Ciro Nogueira emprega assessora de presidente do Cade, cotado para lugar de André Mendonça
Edilson Rodrigues/Agência Senado

Nos últimos dias, surgiu na disputa pela vaga de André Mendonça no Supremo o nome do advogado Alexandre Cordeiro Macedo (foto), hoje presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Macedo tem relação histórica com Ciro Nogueira e sua irmã, Sabá Cordeiro de Monteiro, é chefe de gabinete do ministro da Casa Civil. 

Antes de assumir o cargo no Palácio do Planalto, Sabá foi assessora parlamentar do cacique do PP no Senado e também na Câmara.

Alexandre deve a Ciro Nogueira sua ascensão ao topo do órgão, que é responsável por zelar pela livre concorrência e, em última análise, impedir a formação de monopólios e oligopólios. Um mês antes da nomeação, como revelou O Antagonista, o senador impôs a Bolsonaro a indicação do apadrinhado, ou a entrega do comando do Banco do Nordeste, nas mãos de Valdemar Costa Neto.

No caso envolvendo o Supremo, o ministro da Casa Civil viu na resistência de Davi Alcolumbre uma oportunidade para ampliar sua influência, após ter obtido a nomeação do conterrâneo Kássio Marques, o “nosso Kássio”, com ajuda de Flávio Bolsonaro — o 01 sempre foi contra o nome de André Mendonça.

A ideia original de Davi Alcolumbre, com apoio de Flávio, era emplacar Humberto Martins, mas o presidente do STJ sofreu resistência no STF. Depois, Davi passou a defender a indicação de Augusto Aras, mas a recondução do PGR virou uma necessidade para Jair Bolsonaro, diante do risco de indiciamento pela CPI da Covid.

Diante do imbróglio, Ciro Nogueira resolveu lançar o nome de Alexandre Macedo e começou a trabalhá-lo nos bastidores, tendo já o apoio de Gilmar Mendes e a simpatia de vários partidos, inclusive do PT. A articulação do ministro nos bastidores acabou desagradando Silas Malafaia, principal ‘cabo eleitoral’ do ex-AGU.

O presidente do Cade nega qualquer interesse na vaga, mas vai esperar calmamente até a derrota de Mendonça, considerada inevitável.

Mais notícias
TOPO