CNJ determina que TRF2 apure participação de Bretas em eventos com Bolsonaro e Crivella

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou há pouco que o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) apure se o juiz Marcelo Bretas, titular da 7ª Vara Federal Criminal, praticou “atos de caráter político-partidário” e de “superexposição e promoção”.

A decisão é do ministro Humberto Martins, corregedor do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), no âmbito de uma reclamação disciplinar feita pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

A convite de Jair Bolsonaro, o magistrado da Lava Jato do Rio participou da inauguração da alça de ligação da Ponte Rio-Niterói com a Linha Vermelha. Ele também acompanhou o presidente num evento do pastor R.R.Soares, ao lado do prefeito Marcelo Crivella.

COMO ELE VIROU O VICE QUE BOLSONARO QUER. Saiba mais

Ao CNJ, a OAB afirmou que o juiz chegou ao evento em carro oficial da comitiva presidencial, sendo tratado publicamente como a “principal autoridade fluminense” presente. A OAB também ressaltou que Bretas publicou no Instagram um “vídeo de boas-vindas ao presidente da República e de admiração a outras autoridades políticas”.

O TRF2 terá 60 dias para concluir a apuração da conduta de Bretas.

Comentários

  • Valter -

    Como disse em outro comentário.....Triste fim de um CNJ que outrora nos honrava com a sua imparcialidade e sensatez....hoje medíocre e incrustada de esquerdalhas e corruptos....oxalá e incrus

  • Luciano -

    O PT e o Centrão tem muitas raízes nesses poderes fiquem ligados.... pois nesse jogo só os parlamentares podem fazer o que querem, roubar, xingar os outros do que eles mesmo fazem.... qto lixos ain

  • Resiliente -

    Mais uma mostra de como o Estado está aparelhado por pilantras. Estou sentado, esperando uma nova ditadura, para limpar esses escritórios de tantas quadrilhas.

Ler 50 comentários