CNJ manda TJ-SP providenciar servidor curado da Covid-19 para ajudar desembargador

CNJ manda TJ-SP providenciar servidor curado da Covid-19 para ajudar desembargador

Por ordem do CNJ, o Tribunal de Justiça de São Paulo vai ter que disponibilizar um servidor que já tenha tido Covid-19 para ajudar um desembargador a julgar por videoconferência.

A decisão, publicada ontem à noite, é da conselheira Maria Tereza Uille. Ela não quis atender ao pedido do desembargador Carlos Lopes, de que o TJ-SP abrisse durante a pandemia só para ele – o magistrado não queria participar das sessões virtuais, mas todos estão trabalhando em regime de home office.

Mas a conselheira encontrou uma saída: mandou o TJ fornecer a Carlos Lopes “um funcionário exclusivo e qualificado para atendimento presencial em sua residência que, comprovadamente, já tenha sido infectado pelo Covid-19 e esteja recuperado da doença”.

O tribunal também deverá providenciar “os meios necessários para que o servidor tenha condições de estabelecer contato com o gabinete do desembargador e de promover suporte ao magistrado”.

Entre os desembargadores, claro, o caso já virou piada. Imaginam que a ordem vai causar aglomeração de servidores, que precisarão ser testados para saber se já tiveram Covid-19.

Leia mais: OS R$ 42 MILHÕES DO ADVOGADO DE BOLSONARO
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 7 comentários
TOPO