Coaf vê movimentações suspeitas de servidores de 22 deputados da Alerj

Relatório do Coaf apontou operações bancárias suspeitas de 74 servidores e ex-servidores da Alerj, além de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, informa o G1.

São movimentações milionárias de pessoas que trabalham ou trabalharam em 22 gabinetes de deputados estaduais do Rio –entre eles, alguns que não foram alvo da Operação Furna da Onça.

As operações foram registradas entre janeiro de 2016 e janeiro do ano passado, e o total movimentado chega a pouco mais de R$ 207 milhões.

Segundo o MPF, nem todos os nomes citados no relatório do Coaf foram incluídos nas suas apurações porque nem todas as movimentações são necessariamente ilícitas.

Você precisa saber quem são os novos 'donos do poder'. E precisa saber AGORA

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 39 comentários
  1. Pessoal, essa COAF só começou a trabalhar nesta semana? O que fazia quando bilhões eram manipulados pelos asseclas do PT? Se ficaram calados até agora, deve haver um sólido motivo.

  2. o que mais me intriga é o coaf só ver isso agora? pqp!!! tem que ser mais rápido e direto com qualquer um! cadê o coaf em outros casos? muito omisso nisso tudo!! devem ter mais casos abafados por

  3. … 207 milhões são trocados para os padrões de Excelência em Delinquência dos bandidos tupiniquins. — Tal valor em país civilizado daria muita cadeia. Muitas cabeças iriam rolar.

  4. Eis a razão pela qual a classe política trabalha arduamente pra acabar com o concurso público: gafanhotagem! Assim todos terão seu próprio curral de terceirizados. Finish República!

  5. Pc. O pior é Bolsonaro estar enrolado nesse esquema, ainda que indiretamente. É preciso que o MPF esclareça essa situação urgentemente. O PT está rolando de rir, torcendo pelo quanto pior, melho

  6. Essa declaração do MPF do Rio mostra a mesma seletividade da Lavajato da república de Curitiba. Dizer que nem todos as movimentações são ilícitas, sem investigar, é, no mínimo, irresponsabili

    1. A Wal do Açai passou batido porque ganhava pouco. Mas, pagar 2 mil brutos a uma pessoa para o marido cuidar da casa e dos cachorros em Angra já dava a pista.

    1. Infelizmente a imprensa se comporta assim. Era exatamente a mesma coisa na época do Lula. O negócio é que político ainda não aprendeu o tamanho da burrice que é atacar a imprensa.

  7. O dinheiro que vazou via BNDES para Cuba, ditaduras africanas, Bolivia, Argentina e etc é publico para consulta. A operação fraudulenta foi realizada fora da jurisprudência brasileira.

  8. Enquanto “Mico Latão” não revidar as verdades que disse Bolsonaro ao incompetente filho que ela produziu, não haverá descanso. A ex-linda terrorista vai fazer de tudo pra atingir o Presidente e

  9. Essas bandalheiras sempre tem um começo, já o fim disso tudo, ninguém sabe… Isso vai longe, na semana que vem vai aparecer muita coisa por aí. Só aguardando, não tem outro jeito.

  10. Ou seja, em cima de consultas, a imprensa vfez achismos precipitados. E fica na cabeça dos desavisados o sobrenome Bolsonaro, em vez do nome do ex-assessor. Mais uma bomba de lama da mídia.

    1. Mas qual é a ilicitude disso ? O MPF teria prendido todos na operação furna da onça. Pode ter sido jogo de azar, mas isso é da conta do assessor. O cheque à Michelle está explicado.